ESPUMAS DO TEMPO

  Thito França

Sempre imaginei que eu devia ser diferente
Que os saltos dessas gerações afastavam a gente.
Que os anos, alterando os costumes,
transformavam também as pessoas
e que as semelhanças que havia entre nós
eram tão poucas.

Quantas vezes, em sonhos te encontro
Neles, sempre você está bem.
E dizendo o que nunca me disse
E até com o silêncio me falas também.
Não podia imaginar que só hoje
Estaria tão perto de mim
E nem mesmo que somos iguais
Em tantas coisas.

A gente não pode deixar se levar
Nas espumas do tempo
Hoje entendo, a eternidade são ondas
Eterno movimento.
E hoje, com o seu neto no colo
Sinto mais a falta que você me faz
Quanto quero acalentar meu filho
Eu queria ninar meu pai.

 

VOLTAR