Jornal “A Tribuna” – Vitória – Es – 25/10/2002

 

EM NOME DO FILHO

Marcos Antonio de Almeida silva

   

Após a Segunda Guerra, com a ida dos homens para o campo de batalha e a conseqüente escassez de mão de obra masculina, mulheres ocuparam seus lugares no mercado de trabalho.

Não retornaram ao lar para desempenhar a mesma função de antes. Passaram a competir e iniciaram a trajetória de independência.

Se antes tinha-se a idéia de que trabalho e maternidade eram incompatíveis com o gênero feminino, o desafio enfrentado pela mulher provou que o conceito era equivocado.

Ao homem cabia a vida pública e à mulher a vida doméstica. Ela recebia educação para ser boa esposa, dona de casa e que desse a luz a filhos saudáveis. Essa era a vocação dela.

Com o aprofundamento da modernidade no século XX, as relações sociais mudaram e mudou a mulher, que deixou de ser a rainha do lar.

O controle e dominação dos conflitos da casa se  dava  pela autoridade masculina e/ou pela subserviência da mulher. Com as mudanças, o homem deixou de ser o único provedor e passou a dividir com a companheira a responsabilidade de pagar  contas.

Como conseqüência, ela construiu um novo sentido para a vida e redefiniu valores. Surgiu, aos poucos, um novo ser, que passou a questionar e manifestar desejos e necessidades.

O casamento para muitos deixou de ser orientado pela ética da moral e pela convicção religiosa para se dar pela atração e amor. A expressão que ajuda a compor o rito do casamento “até que a morte os separe”, hoje, para muitos, não opera o mesmo efeito.

É crescente o número de divórcios que trazem profunda alteração na estrutura da família nuclear, concebida pelas figuras do pai e da mãe convivendo sob o mesmo teto.

Ora, com o rompimento do casamento, filhos passaram a ser educados e criados pela mãe, que não dispõe mais do mesmo tempo.

Precisando trabalhar e dividir tarefas domésticas, a saída foi deixar as crianças com os avós, com a doméstica ou em creches, quando não em casa sozinhos.

O pai, até então ausente, começou a manifestar o desejo de dividir com a mãe o papel. É um fenômeno social o interesse de homens divorciados  estarem mais próximo dos filhos, deixando de ser só seres biológicos e provedores.

O fenômeno se deu porque mães tiveram que sair de casa para defender  seus interesses. Como os pais não são mais os únicos responsáveis pela manutenção da prole, dispõem hoje  de  mais tempo  para ficar com os  filhos e construir  afeto e amor, missão antes só da mãe.

É importante que assim seja. Pai e mãe norteiam a vida dos filhos. Pode haver outros fatores que ajudem a estruturar suas identidades, mas nada  de igual importância do que a presença diária dos pais.

Tornar um filho órfão pelo divórcio traz conseqüências imprevisíveis. Gravidez precoce, abandono do lar e da escola, além do consumo de drogas, são algumas das dificuldades.

Ainda assim há gente insistindo no erro de se ausentar, porque a separação trouxe rancores. Como se filhos fossem culpados pela imaturidade dos adultos.

Muitas vezes os filhos vão procurar visibilidade, auto-conceito e o sentido de  vida  fora de casa, porque de alguma forma isso lhes foi negado ou negligenciado na família.

Da mesma forma que um sistema imunológico saudável não é a garantia de que filhos nunca terão doença, também a presença dos pais não é a garantia de que não terão dificuldades, desafios, mas os tornam mais resistentes perante as adversidades.

Na hora da separação, ressentimento nenhum justifica entregar o filho a uma sorte incerta, extraindo dele a figura do pai ou da mãe. Aqueles que, por negligência ou desafeto, se ausentam da educação dos filhos, vão chorar as conseqüências. Bom será se assumirem a culpa.

Marcos António de Almeida Silva é representante da

Associação de Pais e Mães Separados no Espírito Santo

marcosantonio.a.s@terra.com.br

tel: 3071-1061

 

VOLTAR