(Matéria transferida do Fórum de Opiniões em 14/01/2006)

 

O COMITÊ DOS DIREITOS DA CRIANÇA – CRC – CONCORDA COM O PAPA – OS ADVOGADOS DEVEM FICAR FORA DO PROCESSO DE DIVÓRCIO           

Em Washington, D.C, EUA. – Sua Santidade, o Papa João II recomendou na passada segunda-feira (21/julho/2003) aos advogados e juizes que não tomem parte em processos de divórcio, condenando o divórcio como uma “ferida infecciosa” que devastou a sociedade. O Sumo Pontífice recomendou aos advogados que antes dedicassem os seus esforços no sentido de reconciliar os casais.

O Comitê dos Direitos da Criança gostaria que o Papa fizesse concessões mútuas. “Sabemos que não podemos e nem devemos abolir o divórcio nos EUA, mas há muito tempo que vimos recomendando aos advogados que fiquem fora das disputas dos processos de divórcio”, adianta David L. Levy, ele próprio advogado e presidente do Comitê dos Direitos da Criança. “O seu lugar deve ser ocupado por conciliadores, educadores dos pais e um advogado mediador para o casal em conjunto”, refere Levy.

“Isto vai levar alguns pais a se reconciliarem e a fomentar uma maior colaboração entre os pais”, continuou Levy.

“No caso dos pais que não se reconciliarem, isto tornará o processo de divórcio menos penoso para as crianças”. “E essas crianças irão crescer e se desenvolver com maior respeito pelo matrimônio, já que os seus pais se divorciaram de uma forma responsável e atenciosa – sem advogados voltados para a questão litigiosa do divórcio”, conclui Levy.

Para maiores informações sobre o Comitê dos Direitos da Criança, uma organização nacional de proteção aos direitos da criança, consulte o site www.gocrc.com.

 Tradutor técnico - Paulo Mariano Lopes
marianolopes@osite.com.br

 

  VOLTAR