APASE - Associação de Pais e Mães Separados
www.apase.org.br

X

NÃO FIQUE COM RAIVA

X

Texto original : Children Right Council: www.gorc.com

X

Tradução e adaptação: Euclydes de Souza

X

Todo ano, a exemplo dos Estados Unidos da América, milhares de brasileiros se divorciam. Para estes homens e mulheres, é na maior parte das vezes, a mais cruel, desgastante e onerosa experiência de suas vidas.

Para as crianças , isso pode ser muito pior.

Imagine que você tem seis anos , e subitamente as únicas pessoas que a alimentava, dava conforto, abrigo e amor passam a se atracar uma com a outra. Em sua jovem mente, você conclui que foi a causa por eles estarem brigando, e isso irá fazer com que você os perca. Quando você se conscientiza disso, conclui que não haverá mais ninguém para acudir seus gritos quando acordar com pesadelos, ou o proteger.

Para ficar pior ainda, você, constantemente, se vê sozinho na sua angústia, já que as duas únicas pessoas que você pode contar com elas e normalmente a consola são seus dois pais, os quais estão tão envolvidos em suas próprias preocupações e desolações que nem o percebem.

Isto no mínimo é perturbador.

Para os pais, estes acreditam que depois de ter passado a fase mais ácida do divórcio, as crianças, voltarão a ter uma vida normal, reflexo do que acreditam para si próprios, achar que suas vidas suas vidas irão melhorar muito. Mas para muitas crianças, não é isso que acontece.

O Divórcio marca as crianças e seus sintomas podem ser sentidos imediatamente, tanto quanto a longo termo. Crianças pequenas, as quais seus pais estão se divorciando, freqüentemente sofrem de depressão, sono instável, perca de alto estima, pobre aproveitamento escolar, regressão comportamental, se tornando vítima de todo o tipo de desordem física e emocional.

Mesmo depois de o divórcio ter terminado, os filhos do divórcio freqüentemente permanecem com um sentimento de sofreguidão que os aprisionam até o que o de seus pais terminem.

Em adição, estudos da Universidade de Princeton mostraram que crianças que vivem longe de um de seus pais são mais propensas a se desligarem do colégio prematuramente, tornarem-se desinteressadas e ociosas (tanto no trabalho como na escola), e a ter filhos antes dos 20 anos, se comparada com as crianças que vivem com ambos os pais.

Enquanto possa parecer, para os pais, que é incorreto demonstrar que está tudo bem, quando não está, este esforço conjunto, fará com que o vitorioso, com o tempo, seja a criança.

A aposta é obviamente muito alta.

Aproximadamente 1/3 dos filhos do divórcio perdem contato com um de seus pais, sendo privado por anos de ser guiada, educada , ensinada , amada e protegida por ele. Mas mesmo as crianças que convivem com ambos os pais, que continuam se atormentando, discutindo e brigando não se sentem melhor do que estas...

E quanto mais tempo demorar o conflito entre os pais, mais sério é o prejuízo psicológico para a criança. Muitas crianças reagem a este stress, "desligando" seus sentimentos e reprimindo suas emoções. Estas crianças não foram apenas privadas de sua alegria e júbilo infantil, mas elas freqüentemente se descobrem desorientadas, quando adultos.

É importante para os pais , lembrarem-se que estas atitudes agressivas durante o divórcio podem ter um efeito que cause conquências maléficas de longo termo sobre as crianças, que eles não imaginavam. A mãe que proíbe sua filha de ver seu adúltero pai, por exemplo, a está preparando para não confiar em homem nenhum, desta forma sabotando potencialmente sua vida e intimidade quando do relacionamento adulto.

Pais precisam se conscientizar que crianças freqüentemente interpretam a raiva entre seus pais, como sendo também contra elas. Isto porque crianças tomam conhecimento desde tenra idade que elas são "parte mamãe" e "parte papai". Quando os pais que estão se divorciando começam a se agredir na presença das filhos, sua estima em desenvolvimento recebe um grande baque.

Divórcios litigiosos nunca são fáceis para os filhos, estas crises são freqüentemente difíceis de disfarçar. E a saúde emocional das crianças depois do divórcio de seus pais depende do comportamento dos mesmos durante o processo de separação. Durante este processo, é uma boa hora para os pais refletirem no bem estar das crianças, e se necessário contratar um profissional para ajudar a eles mesmos e a seus filhos.

Talvez haja até mesmo a necessidade das crianças serem assistidas por um psicólogo, que poderá detectar mensagens escondidas através dos trabalhos gráficos e histórias contadas.

Evitar a briga pela guarda dos filhos é uma das mais importantes coisas que os pais podem fazer para assegurar o bem estar das crianças depois do divórcio. Mesmo as crianças que não tem seus pais brigando pela sua custódia, mas continuam brigando entre si, podem também causar mal a elas, as quais devem ser evitadas o máximo possível.

Ajudar as crianças à não serem prejudicadas começa antes que qualquer documento para a separação venha a ser preenchido e através de como e quando os pais irão falar as crianças sobre a decisão que tomaram em romper o casamento.

As primeiras palavras que as crianças irão ouvir sobre separação deveria ser de seus próprios pais o quanto antes após a decisão de separação ter sido tomada. O melhor é não esperar nem mesmo que um dos pais venha a sair de casa.

O ideal , é que ambos os pais estejam presentes quando resolverem contar a elas. Se as crianças têm praticamente a mesma idade, deve ser contado a elas ao mesmo tempo. Se há uma grande diferença de idade, é muito conveniente que seja contado a elas simultaneamente, e então separadamente adaptar a explicação para cada criança de acordo com o nível de entendimento de cada criança.

Quando se informa as crianças um iminente divórcio, os pais não devem revelar detalhes como infidelidade conjugal ou depravação sexual, e eles não devem se culpar um ao outro. Um possível método é apresentar o divórcio como uma solução para os problemas da família, que tem gerado muitas brigas e desentendimentos.

Honestidade é o elemento crucial nas informações dadas as crianças para a separação. Deve ser dito a elas que suas vidas irão mudar e algumas coisas como conviver com o pai que não está morando a maior parte do tempo , será difícil.

As crianças devem ser encorajadas a falar sobre seus sentimentos , com seus pais, amigos ou mesmo conselheiros.

O melhor é que os pais não perguntem as crianças para escolher com qual pai elas gostariam de viver. Se elas tiverem uma opinião formada , é conveniente deixar que ela exponha naturalmente. Se elas não se pronunciarem, não devem ser colocadas em uma posição de escolha entre um ou outro pai.

A escolha da custódia da criança pode ser pela conservadora Guarda Única ou então a Guarda Conjunta. A Conjunta se subdivide em Guarda Compartilhada legal ou a Guarda Compartilhada Física. Na Guarda Compartilhada os pais participam efetivamente da criação dos filhos, a diferença é que uma não tem alternância de casas e a outra sim, mas por períodos de tempo bem pequeno , de apenas 3 a 7 dias.

Embora compartilhar a Guarda da criança tão intimamente possa ser difícil para os pais que não mais estão casados, essa é a melhor maneira que eles possuem para mostrar que amam suas crianças.

A maior parte das crianças, de fato, a maior parte dos adultos continuam sonhando em ter a "família perfeita", com a mamãe e o papai, muitas crianças felizes e um cachorro, todos vivendo em júbilo debaixo do mesmo teto. Mas a exemplo da alta taxa percentual de separações nos Estados Unidos da América, no Brasil não é diferente, o IBGE demonstra que o divórcio sobe como um foguete, e este sonho hoje se realiza para menos e menos famílias.

O que difere para ambos os pais e filhos são oportunidades. Através do controle de sua raiva, pais que estão se divorciando podem se aproximar de um objetivo comum para suas crianças - mantendo e nutrindo um ambiente sadio e minimizando potencialmente o traumático rótulo de família separada.

X

VOLTAR